Dialética Erística - Schopenhauer

Um dos sofismas preferidos nos meios virtuais os chamados "rótulos detestáveis". Em vez de argumentar intelectualmente, procurando o que há de verdade e mentira no discurso alheio, eu posso simplesmente rotular o meu adversário, tirando-lhe o direito de falar: os esquerdistas, ou direitistas, ou comerciantes, ou arrogantes, ou dogmáticos, ou ateus, ou qualquer outro adjetivo-rótulo. E geralmente o rotulado começa a querer explicar-se e definir-se, o que apenas reforça o rótulo e desvia a atenção do que realmente interessava.

SE VOCÊ NÃO PODE ARGUMENTAR, ENTÃO CONFUNDA -

Se você não tem argumentos para convencer seu interlocutor, então faça com que ele se perca na própria argumentação. Desvie o foco da discussão, mude de assunto, de preferência para um assunto no qual você tem razão, cite o quanto conhece, trabalha e sofre pela posição que ocupa na sociedade, de quanto seu trabalho é injusto e desvalorizado, ou... simplesmente, leve a discussão a um ponto de onde não se pode sair; nesse caso, os dois saem perdendo, mas isso é uma vantagem pra quem iria perder de qualquer jeito.

Como vencer um debate sem precisar ter razão

Debater na internet significa deparar com esse tipo de argumentação, invariavelmente. O triste é que a maioria das pessoas não sabe que está utilizando esses expedientes, basicamente todo mundo acha que está argumentando de verdade. Esse tipo de atitude vem de pessoas que acham que têm a razão apenas por arrogância pura; por martelamento ideológico; por incapacidade de conclusão lógica; pela repetição da outra parte; ou, simplesmente, pela vontade de não dar o braço a torcer; gente que debate não pra aprender, mas pra ganhar a discussão.

O livro relata 38 'estratagemas' para lidar com situações de debate. Alguns exemplos típicos são:
#argumento ad hominen - ataca-se o argumentador, não o argumento;
#repetição - repete-se o argumento ad nauseum até a outra parte se esgotar;
#argumentação circular - duas premissas são usadas para se justificar mutuamente;
#argumento non sequitur - uma conclusão ilógica é tirada das premissas;
#argumento de autoridade - o debatedor se refere a alguém cuja posição seria a priori indiscutível.

Quantos desses argumentos já não se viu por aí?

Toda discussão com potencial para se tornar interessante acaba, de alguma maneira, sendo destruída por gente que raciocina da maneira citada acima. É sempre frustrante. Não porque se perde a discussão, mas simplesmente porque ela se torna improdutiva e desgastante.

Sei que uma argumentação não precisa ser diretamente lógica, como na lógica formal dos computadores (muito embora seria bem mais agradável se fosse...) e bons livros sobre teoria da argumentação até ensinam como estruturar/entender um raciocínio. Ainda assim, eu gostaria que essas discussões via internet não fossem tão horrivelmente frustrantes.

É triste ver que toda a potencialidade do meio virtual se transforma em um espaço pobre, num e-cortiço, onde palavras mal educadas e comentários raivosos governam com autoridade suprema.

Last edited Nov 7, 2006 at 5:57 PM by rockixe, version 1

Comments

No comments yet.